Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável - as soluções para os principais problemas do mundo




Em 2016 entrou em vigor a resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) intitulada “Transformar o nosso mundo: Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável” constituída por 17 objetivos, desdobrados em 169 metas.

Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) foram pensados a partir do sucesso dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), em vigor entre 2000 e 2015 e apesar de do total falhanço em os cumprir, a ONU pretende ir mais longe e radicalizar a sua missão. Em 2015 foram aprovados por unanimidade por 193 Estados-membros da ONU (em 2015) na chamada AGENDA 2030.



17 objetivos com 169 metas:  


01 - Erradicar a pobreza: acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

02 - Erradicar a fome: acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável.

03 - Saúde de qualidade: assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades.

04 - Educação de qualidade: assegurar a educação inclusiva, e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

05 - Igualdade de género: alcançar a igualdade de género e empoderar todas as mulheres e meninas.

06 - Água potável e saneamento: garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos.

07 - Energia renovável e acessível: garantir acesso à energia barata, confiável, sustentável e renovável para todos.

08 - Trabalho digno e crescimento económico: promover o crescimento económico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todos.

09 - Indústria, inovação e infraestruturas: construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização inclusiva e sustentável, e fomentar a inovação.

10 - Reduzir desigualdades: reduzir as desigualdades dentro dos países e entre eles.

11 - Cidades e comunidades sustentáveis: tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.

12 - Produção e consumos responsáveis: assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis.

13 - Acção contra a mudança global do clima: tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos (*).

14 - Proteger a vida marinha: conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares, e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

15 - Proteger a vida na Terra: proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da Terra e deter a perda da biodiversidade.

16 - Paz, justiça e instituições eficazes: promover sociedades pacíficas e inclusivas par ao desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

17 - Parcerias para a implementação dos ODS: fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.


Objetivos de desenvolvimento sustentável - Indicadores para Portugal. Agenda 2030
Ano de Edição: 2019

hipsometria e as principais montanhas de Portugal




As principais cadeias montanhosas de Portugal continental e ilhas

21 Sistemas Montanhoso em Portugal Continental
27 Sistemas Montanhoso na Região Autónoma dos Açores
18 Sistemas Montanhoso na Região Autónoma da Madeira


Nota:
Hipsometria é uma técnica de "representação de um terreno" (topografia) através de cores. As cores utilizadas possuem uma equivalência com a cota do terreno (altitude).
Em Geografia aos valores elevados correspondem cores escuras e aos valores reduzidos cores claras.

critérios de avaliação de Geografia no ensino secundário da Cunha Rivara - Arraiolos



os critérios de avaliação de Geografia no ensino básico da Cunha Rivara - Arraiolos


as cidades médias e as cidades intermédias em Portugal









A CIDADE MÉDIA E A CIDADE INTERMÉDIA   



Nos anos 60 surgiu em França, nos departamentos governamentais de planeamento e economia, o conceito de Cidade Média. Nos anos 90 emergiu o conceito de Cidade Intermédia.





1. Cidades médias:

Uma classificação de centros urbanos da Comissão Europeia define como «grandes cidades» as que possuem mais de 250 000 habitantes, «cidades médias» as que possuem entre os 100 000 e os 250 000 habitantes e «cidades pequenas» as de dimensão inferior a 100 000 habitantes. [nota: Portugal tem intervalos de valores diferenciados]

DATAR (1989) – Les Villes Européennes. Maison de Geographie, Montpellier.



1.1 Portugal tem classificação adequada a um país pouco urbanizado: 

Contudo, os valores são mais baixos para países como Portugal e a Grécia (ambos com um baixo grau de urbanização): em Portugal, as cidades médias consideram-se as de 20 000 habitantes a 100.000 habitantes.

EC. Europe 2000+. Coopération pour l`aménagement du territoire européen. Luxemburgo: CE-Politiques Regionales de la Communauté Européenne, 1994.





2. Cidades Intermédias:

2.1. É uma cidade média mas com capacidade de estabeleces relações com outras cidades do mesmo nível hierárquico articulando-se em rede. i.e., está inserida numa Rede Urbana de centros urbanos equivalentes.

2.2. A definição proposta pela União Europeia reforça a ideia da cidade intermédia como uma entidade local capaz de gerar qualidade de vida e promover o desenvolvimento sustentável.

CE (1997) – The EU Compendium of Spatial Planning Systems and Policies. Luxembourg.







EFILWIC (1994) – Visions and actions for medium-sized cities. Reports from the European orkshops of Alicante, Volos and Oviedo. European Foundation for the Improvement of Living and Working Conditions, Dublin.

COMMERÇON, N. (1996) – Les villes moyennes, Norois, 43, n.º 171: 487-493.



WILBERG, U. (1991) – Medium-sized cities and renewal strategies, 31st RSA European Congress,vol. 1, tomo 4. Regional Science Association, Lisboa.



ONU (1963, 1964, 1970, 1971, 1973, 1974, 1980, 1983, 1987, 1992, 1993, 1994) – AnuárioDemográfico Internacional. Organização das Nações Unidas, Nova Iorque.


quantos portugueses saíram do país para viver no estrangeiro, por mais ou menos de um ano?

In PORDATA. Consultado em https://www.pordata.pt/DB/Portugal/Ambiente+de+Consulta/Tabela


Emigrantes: total e por tipo
Fontes de Dados: INE - Inquérito aos movimentos migratórios de saída (1992 a 2007) | Estimativas Anuais de Emigração (a partir de 2008)
Fonte: PORDATA
Última actualização: 2019-06-14


Taxa de desemprego em Portugal entre 1932-2010
Fonte: Santos Pereira (2011). Consultado em desmitos.blogspot.com


Valores máximos com significado político:

  • 2014 - 134.624 Emigrantes
  • Desemprego: 16,2% 

  • 1966 - 120.239 Emigrantes
  • Desemprego: 1,3%

aconteceu há 30 anos atrás - o fim de um país prisão





In Oman Daily Observer. https://www.omanobserver.om/30-years-after-fall-of-berlin-wall-east-germans-feel-inferior