escutar todas as rádios do mundo usando mapas


clicar para ouvir

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA E RÁDIOS  

Radio.Garden é um projecto absurdamente fantástico e foi feito pelo TRE - Transnational Radio Encounters - para explorar todas as rádios que existem ou existiram em todo o mundo.

Visitem também o The Netherlands Institute for Sound and Vision

mapa interactivo do crescimento efectivo na Europa ao nível de freguesias, entre 2001 e 2011


Credits and data: BBSR, Berliner Morgenpost Interactive Team, Gfk Geomarketing, UK Data Service, Eurostat, © OpenStreetMap contributors



A POPULAÇÃO EUROPEIA NA PRIMEIRA DÉCADA DO MILÉNIO  

O crescimento da população entende-se como «crescimento efectivo da população»: a soma do «crescimento natural» e «saldo migratório».

Legenda:
  Freguesias com crescimento efectivo positivo 
  Freguesias com crescimento efectivo negativo

evolução da densidade populacional na Europa entre 1870 até 2000


Historical GIS da Universitat de Lleida



OS DISTRITOS/REGIÕES ADMINISTRATIVAS MAIS E MENOS POVOADOS DA EUROPA POLÍTICA

A Universidade de Lleida, na Catalunha, teve em 20111 o projecto HGISE que produziu mapas históricos da Europa em plataformas SIG (Sistemas de Informação Geográfica) - referenciados na sigla inglesa como Historical GIS.



PADRÕES GEOGRÁFICOS SIGNIFICATIVOS:

O padrão de urbanização de hoje é em grande parte o mesmo que era em 1870. As áreas vermelhas de hoje (começo do século XXI) são em grande parte os rosa escuro de 150 anos atrás. 

Em 1870 a área de Londres era a área mais densamente povoada da Europa.
A industrialização do mundo irradiou desta região e reflectiu-se no aumento das densidades populacionais nas regiões que mais rapidamente se industrializaram.

Eixos de urbanização dirigiam-se de Londres para o norte Inglaterra e para o leste, para os países de Benelux (organização económica que compreende Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo). A seguir para o sul através dos vales do rio Reno que atravessa a Europa de sul para norte, permitindo a industrialização precoce do norte da Itália. Em grande medida, estes foram os primeiros pedaços da Europa a ser atingidos pela revolução industrial.

No outro lado da escala, algumas regiões no sudeste da Irlanda continuara despovoadas: um quarto de século após o desastre da grande fome, partes da Irlanda ainda estavam perdendo residentes.



A IMPORTÂNCIA DE 1870:

A década de 70 no século XVIII foi marcada pela expansão do colonialismo europeu, pela unificação alemã (II Reich), pela expansão dos impérios europeus e foi a «época de ouro» dos EUA - uma época caracterizada por um crescimento extraordinariamente rápido de caminhos de ferro, pequenas fábricas, bancos, armazéns, minas e outros negócios familiares, na civilização ocidental.

Como citar textos e fazer referências bibliográficas - A norma APA Citation Style para escolas básicas e secundárias

Cliquem aqui para baixar documento scribd.com/Regras-bibliograficas-Norma-APA-Style-no-ensino-secundario



Como fazer referências bibliográficas e citar textos
- A norma APA Citation Style

1. Como identificar os livros, filmes, internet e mapas usados num trabalho escolar? - A bibliografia.
2. Como identificar os textos copiados dos livros consultados? - As citações.

A norma APA citation style é o padrão mais comum usado pela comunidade internacional das ciências e ciências sociais. Este breve guia usa os dados da 6ª edição do Manual of the American Psychological Association publicado em 2008.
As regras aqui usadas não seguem a Norma Portuguesa NP 405-1 (1994), a qual define as regras bibliográficas para Portugal (mas que tem custos elevados e acesso muito limitado…).



1. COMO ESCREVER A BIBLIOGRAFIA:

AUTOR – DATA - TÍTULO DO LIVRO - TÍTULO DO ARTIGO - TÍTULO DO JORNAL – VOLUME – PÁGINAS – LOCALIDADE – EDITORA - DIVERSOS.
Nota: devemos seguir esta ordem, contudo, consoante as pesquisas feitas, simplifica-se consoante os casos seguintes:


LIVROS CONSULTADOS:
Autor. (Ano). Título do livro. Localidade: Editora.


COELHO, J. P. (1969-1971). Dicionário de literatura: literatura portuguesa. Vol. 2. Porto: Figueirinhas.

LIVROS DE INSTITUIÇÕES:
Instituição. (Ano). Título do livro. Localidade: Editora.

Nota: Associações, empresas, instituições, organismos do estado e organizações são considerados autores quando não existe um autor individual.

American Psychological Association. (1972). Ethical standards of psychologists. Washington, DC: APA.


CAPÍTULOS DE LIVROS:
Autor. (Ano). Título do capítulo do livro. In Autor (Ed.), Título do livro (pp.– pp.).

Shun, I. (1998). The invention of the martial a
rts: Kanao Jigorao and Kaodaokan judo. In S. Vlastos (Ed.), Mirror of modernity: Invented traditions of modern Japan (pp. 163-173).


ARTIGOS DE ENCICLOPÉDIAS:
Autor. (Ano). Título do artigo da enciclopédia. In Título da enciclopédia. (Volume, Páginas). Localidade: Editora.

MURCHO, Desidério. (2001). Regras da dedução natural. In Enciclopédia de Termos Lógico-Filosóficos. (Vol. 1, pp. 630-634). Lisboa: Gradiva.

ARTIGOS DE JORNAIS OU REVISTAS DE IMPRENSA:
Autor. (Ano). Título do Artigo. Título do jornal. Data. Páginas.
CRATO, Nuno. (2004, 20 Março). Primavera em Constância. Expresso: Actual, 38-40.

ANTOLOGIA OU COMPILAÇÃO DE ENSAIOS DE DIVERSOS AUTORES:
Autor. (Ano). Título do Ensaio. In Editores (Eds.), Título do livro. (Páginas). Localidade: Editora.

Bjork, R. A. (1989). Retrieval inhibition as an adaptive mechanism in human memory. In H. L. Roediger & F. I. M. Craik (Eds.), Varieties of memory & consciousness (pp. 309-330). London: Routledge.

FILMES:
Nome do realizador. (Realizador). (Ano). Título do filme [Filme]. Localidade: Produtora.

KUBRICK, S. (Realizador). (1980). The Shining [Filme]. E.U.A: Warner Brothers.


FILMES NA INTERNET / YOUTUBE:
Nome do realizador. (Data). Título do filme [Ficheiro de video]. Em “url do site”.

NORTON, R. (4 de Novembro de 2006). How to train a cat to operate a light switch [Ficheiro de video].
Em  http://www.youtube.com/watch?v=Vja83KLQXZs


INTERNET PESQUISADA:
Autor. (Ano). Título do artigo. Consultado em “data”. No site “nome do site”: “url do site”.


CRATO, Nuno. (2003). O eduquês e a pedagogia romântica nunca existiram (Jornal de Letras, 27/11/2003). Consultado em: 14-01-2005.
No site Personal Links and Documents (Homepage):  http://pascal.iseg.utl.pt/~ncrato/Recortes/EduquesNuncaExistiu.htm


LIVROS NA INTERNET:
Autor. (Ano). Título do livro. Em “url do site”.

DICKENS, C. (1910).
A tale of two cities. Em http://books.google.com/books?id=Pm0AAAAAYAAJ


WIKIPEDIA:
Título da entrada. (s.d.). Consultado em “data”. No site Wikipedia: “url do site”.
Nota: As entradas da Wikipedia têm autoria colectiva, raramente são assinadas e são revistas frequentemente.
Logo, a referência a “Autor” e “Data” de publicação não são requeridas.

Judo. (s.d.). Consultado em 29 de Agosto de 2007. No site Wikipedia: http://en.wikipedia.org/
wiki/Judo


POST DE UM BLOG:
Autor. (Data). Título do post. Mensagem consultada em “data”. No site “nome do site”: “url do site”.

JESUS, Luís Palma de. (22 de Dezembro de 2009). O primeiro dia do Inverno de 2009. Mensagem consultada em “14 de Fevereiro de 2010”. No site “Geografismos”: “http://geografismos.blogspot.com/2009/12/o-primeiro-dia-do-inverno-de-2009.html”.

  
MAPAS (POSTER OU FOLHA DE MAPA):
Autor. (Ano). Título do mapa [formato]. Escala. Localidade: Editora.

Metsker Maps. (1979). Metsker's map of Island county, Washington [map]. (ca. 1:70,000.) Tacoma, WA: Metsker Maps.


MAPAS (FOLHA DE SÉRIE DE MAPA):
Autor. (Ano). Título do mapa [formato]. Escala. Série, Número de Folha. Localidade: Editora.

Easterbrook, D. J. (1976). Geologic map of western Whatcom County, Washington [map]. 1:62,500. Miscellaneous investigations series, map 1-854-B. Reston, VA: U.S. Geological Survey


MAPAS DE LIVROS OU ATLAS:
Autor. (Ano). Título do mapa [formato]. Escala. In Autor do Atlas ou livro. Título do Atlas ou livro. Localidade: Editora.

Magocsi, P. R. (2003). Population movements, 1944-1948 [map]. 1:8 890 000. In P. R. Magocsi, Historical atlas of central Europe(Rev. & ex. ed.) Seattle: University of Washington Press. (p. 53).


MAPAS DE REVISTAS OU PERIÓDICOS:
Autor. (Ano). Título do mapa [formato]. Escala. In Autor do Artigo. Título do Artigo. Título da revista ou periódico. Número do Volume. Página.

Clout H. (2006). Figure 2: France: Types of countryside [map].Scale not given. In Hugh Clout. Rural France in the new millennium: Change and challenge.  New Geography, 91, 207.


MAPAS NA INTERNET:
Autor. (Ano). Título do mapa [formato]. Escala. [Consultado em] Data, [No website] Nome do site. [Website:] URL do site

U.S. Fish and Wildlife Service. (2009). Cahaba River Natural Refuge [map]. 1:24 000. Consultado em: 14-01-2005. Website: http://permanent.access.gpo.gov/lps109506.


UM MAPA DO GOOGLE MAPS:
“Título do mapa (referindo a localidade). (Ano). Google Maps. Google. [Consultado em] Data, [No website] Nome do site. [Website:] URL do site

“Nooksack, WA.” (22 Apr. 2010). Google Maps. Google. Consultado em http://maps.google.com/maps?f=q&source=s_q&hl=en&geocode=&q=Nooksack,+WA&sll=37.09024,-95.712891&sspn=51.974572,79.013672&ie=UTF8&hq=&hnear=Nooksack,+Whatcom,+Washington&ll=48.902502,-122.279034&spn=0.020452,0.038581&z=15.

  





2. COMO FAZER CITAÇÕES:

nota:
Sempre que copiamos ou referimos ideias de outros autores devemos identificar tudo como CITAÇÔES e que, na lista de BIBLIOGRAFIA, deve ser referido de forma completa.
  


CITAÇÕES CURTAS COM MENOS DE QUARENTA PALAVRAS:

É feita dentro do próprio texto que estamos a escrever; usando ASPAS, devemos indicar o AUTOR, ANO, NÚMERO DA PÁGINA. Vejam os seguintes exemplos
EXEMPLO 1:

Mendes (2003) informa-nos que em
"1536, a Bula Apostólica do Papa Paulo III estabelece definitivamente em Portugal o Tribunal do Santo Ofício" (pp.3), mas sem nos informar das custos políticos de tal decisão
EXEMPLO 2:

A autora descreve-nos como em
"1536, a Bula Apostólica do Papa Paulo III estabelece definitivamente em Portugal" (Mendes, 2003, pp.3) o Tribunal da Inquisição, mas sem nos informar das custos políticos de tal decisão.



CITAÇÕES SUPERIORES A QUARENTA PALAVRAS:

É feita fora do texto que estamos a escrever, criando-se um "BLOCO DE CITAÇÃO" numa LINHA ABAIXO, com uma tabulação avançada de CINCO ESPAÇOS e SEM ASPAS.
EXEMPLO 1:
Mendes (2003) declara o seguinte:
Porém, o edifício tinha dimensões reduzidas para a função que lhe estava atribuída, como se pode deduzir pela correspondência trocada entre D. João III, O Cardeal D. Henrique, Inquisidor Geral do Reino (1539-1580), e a Câmara de Évora, sugerindo ao Rei a mudança dos açougues para otro local, e a integração do templo romano no Tribunal do santo Ofício. (pp.3)

Optando por não relacionar questões de política local com as iniciais condições precárias do Santo tribunal. Contudo, será apenas em 1555, o Município pediu o levantamento de uma planta da zona para estudar a possibilidade de mudar os açougues para outro local.

a demografia do mundo islâmico na actualidade


Fonte dos valores referidos: Pew Research Center em janeiro de 2011 no relatório "The Future of the Global Muslim Population".


LISTA DOS PAÍSES CUJA  MAIORIA DA POPULAÇÃO É ISLÂMICA:   
 (valores em percentagem - %)  

Maldives 100
Mauritania 100
Afghanistan 100
Tunisia 100
Iran 100
Western Sahara 100
Morocco 99
Tajikistan 99
Yemen 99
Iraq 99
Somalia 99
Mayotte 99
Turkey 99
Azerbaijan 98
Comoros 98
Niger 98
Algeria 98
Palestinian Territories 98
Saudi Arabia 97
Djibouti 97
Sudan 97
Libya 97
Uzbekistan 97
Pakistan 96
Senegal 96
Kosovo 96
Gambia 95
Mali 95
Jordan 94
Turkmenistan 93
Egypt 90
Syria 90
Kyrgyzstan 89
Oman 88
Indonesia 87
Bangladesh 86
Guinea 84
Cocos (Keeling) Islands 80
Qatar 78
United Arab Emirates 76
Kuwait 74
Sierra Leone 72
Bahrain 70
Kazakhstan 70
Brunei 67
Malaysia 61
Burkina Faso 61
Lebanon 60
Albania 59
Chad 58
Bosnia-Herzegovina 51
Guinea Bissau 50

mapa da Sharia no mundo actual

Mapa dos países que adoptaram legalmente a Sharia em 2016. In wikipedia.org/wiki/Charia



Sharia/Charia  

nota: A entrada na wikipedia sobre Sharia (termo inglês e o mais comum a nível internacional) é uma das mais completas em língua portuguesa, com abundante bibliografia e fontes citadas.

A Sharia é o corpo da lei religiosa islâmica. É a estrutura legal dentro do qual os aspectos públicos e privados da vida do adepto do islamismo são regulados: para aqueles que vivem sob um sistema legal baseado na fiqh (os princípios islâmicos da jurisprudência) e para os muçulmanos que vivam fora do seu domínio.

A Sharia lida com diversos aspectos da vida quotidiana, bem como a política, economia, bancos, negócios, contratos, família, sexualidade, higiene e questões sociais; é, actualmente, o sistema legal religioso mais utilizado no mundo, e um dos três sistemas legais mais comuns do planeta: juntamente com a "common law" anglo-saxônica e o sistema romano-germânico.



O exercício de cartografia é simples:
reverter as localizações legendadas no mapa e passar para uma tabela o conjubto de países que adoptaram qualquer uma das diversas formas de Sharia.

os lugares mais violentos do mundo na actualidade


Cliquem para consultar o Homicide Monitor



O observatório Homicide Monitor:  

O Homicide Monitor é o mais abrangente conjunto de dados disponíveis publicamente sobre homicídios no mundo. Com relativa actualização, os últimos dados reportam a 2014.

É um web-SIG - Sistema de Informação Geográfica online e, portanto, oferece-nos mapas com visualização de dados.

Como a violência letal incide sobretudo no continente americano, o Homicide Monitor inclui informações adicionais sobre a América do Norte, Central e do Sul na escala nacional, estadual/regional e municipal.

O objetivo é mostrar a políticos, jornalistas, académicos e activistas políticos como a violência letal é distribuída espacialmente, temporalmente ou demograficamente. A visualização do Homicide Monitor baseia-se na definição de homicídio intencional.

A base de dados subjacente inclui informações de séries temporais sobre homicídios de origem pública apenas publicadas (a partir de 2000 até o último ano disponível (2014/15 nas Américas e 2012 para mais outras partes do mundo). As estatísticas de homicídios estão disponíveis para todos Cidades de mais de 250.000 habitantes e / ou a cidade mais populosa do país, e os dados sobre homicídios também estão desagregados a nível nacional, de acordo com o sexo, a idade e o tipo de arma quando disponível.



Autoria: 

Homicide Monitor é um projeto do Instituto Igarapé. A visualização dos dados foi desenvolvida em parceria com as Fundações da Open Society (OSF), o Instituto de Pesquisa da Paz Oslo (PRIO) e Periscopic. Uma das principais fontes de dados foi a Divisão das Nações Unidas para Drogas e Crime (UNODC). Muitos governos e organizações não governamentais também contribuíram com informações, um sinal positivo de seu compromisso com a abertura de dados e a transparência.

o mundo geográfico esquecido pelos manuais de geografia

"O mundo é um lugar perigoso" - Uma colecção de factos de geografia humana regularmente esquecidos


A INDÚSTRIA DO TURISMO E A GRANDE ILUSÃO GEOGRÁFICA  

U.S. Department of Transportation - Em 2017 acontecem 23.900 voos diários, transportando em média 2.246.004 passageiros por cada dia. 
A qualquer instante existem sempre 7000 aviões a atravessar a atmosfera.



A indústria das «Viagens» cresceu nos países mais desenvolvidos - e Portugal está no lote apesar do decadente 43º lugar do Índice do Desenvolvimento Humano.

Este negócio é uma invenção recente, existe nas sociedades de abundância (i.e. populações com dinheiro para gastar) com algum tempo para lazer (um mês), na fantasia de um mundo acessível e feliz (em paz, portanto)... e na ostentação social (o Facebook ajuda muito a mostrar o quanto viajamos).

Com o turismo, cresceu a ilusão de conhecermos pelo facto de consumirmos e passarmos algum tempo num território estrangeiro (estranhamente, não conhecemos tão bem o nosso país apesar de aqui passarmos uma vida).

E para o turismo crescer foi necessário alguma ilusão geopolítica:
acreditar que veio para ficar uma paz mundial pós fim da Guerra Fria (desde 1991, ano do colapso da União Soviética); reinar um interesse por «culturas diferentes» indiciador de uma massificação da frequência universitária; e, viver a convicção de que o «mal» deste mundo somos nós e o melhor é pausar e visitar outras sociedades.

O mundo continua Belo mas tem armadilhas. A lista de perigos e conflitos aumenta todos os dias mas, paradoxalmente, nunca os cartografamos. Não seria mau se a geografia escolar mapeasse alguns dos perigos deste mundo.

formação PORDATA em Arraiolos

Portal estatístico, PORDATA. In www.pordata.pt







[8 de março] tiveram lugar as duas sessões Pordata com os alunos do 11º e 12º de Humanidades. Muito gratos pela informação!

A formação, a cargo de José Pedro Silva, também responsável pela Pordata Kids, foi excelente e tivemos uns bons 90 minutos de informação e exercícios.

As fotos estão no blog da biblioteca da nossa escola, o BiblioBlog.

análise das Metas Curriculares de Ciências Naturais com o 9B

Nota:
Os alunos do 9B vão fundamentar um projecto de intervenção ambiental socorrendo-se dos objectivos curriculares das disciplinas de geografia e ciências naturais e ciências físico-químicas



AS METAS CURRICULARES EM CIÊNCIAS NATURAIS                                                                     


DOMÍNIO:
VIVER MELHOR NA TERRA

Subdomínio: Saúde individual e comunitária

1. Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de vida da população:


  • 1.1. Apresentar o conceito de saúde e o conceito de qualidade de vida, segundo a Organização Mundial de Saúde.
  • 1.2. Caraterizar os quatro domínios (biológico, cultural, económico e psicológico) considerados na qualidade de vida pela Organização Mundial de Saúde.
  • 1.3. Distinguir os conceitos de esperança de saúde, de esperanças de vida e de anos potenciais de vida perdidos.
  • 1.4. Relacionar a ocorrência de doenças com a ação de agentes patogénicos ambientais, biológicos, físicos e químicos.
  • 1.5. Explicitar o modo como a interação dinâmica entre parasita e hospedeiro resultam de fenómenos de coevolução.
  • 1.6. Relacionar o uso indevido de antibióticos com o aumento da resistência bacteriana.
  • 1.7. Caraterizar, sumariamente, as principais doenças não transmissíveis, com indicação da prevalência dos fatores de risco associados.
  • 1.8. Indicar determinantes do nível de saúde individual e de saúde comunitária.
  • 1.9. Comparar alguns indicadores de saúde da população nacional com os da União Europeia, com base na Lista de Indicadores de Saúde da Comunidade Europeia.



2. Sintetizar as estratégias de promoção da saúde:



  • 2.1. Caraterizar, sumariamente, a sociedade de risco.
  • 2.2. Apresentar três exemplos de “culturas de risco”.
  • 2.3. Explicitar o modo como a implementação de medidas de capacitação das pessoas podem contribuir para a promoção da saúde.
  • 2.4. Descrever exemplos de atuação na promoção da saúde individual, familiar e comunitário.
  • 2.5. Explicar de que forma a saúde e a sobrevivência de um indivíduo dependem da interação entre a sua informação genética, o meio ambiente e os estilos de vida que pratica.


análise das Metas Curriculares de Geografia com o 9B

Nota:
Os alunos do 9B vão fundamentar um projecto de intervenção ambiental socorrendo-se dos objectivos curriculares das disciplinas de geografia e ciências naturais e ciências físico-químicas


AS METAS CURRICULARES EM GEOGRAFIA                                                                     


DOMÍNIO: 
CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Subdomínio: Países com diferentes graus de desenvolvimento 

1. Compreender os conceitos de crescimento económico e de desenvolvimento humano:

  • 1. Definir Produto Interno Bruto (PIB) e Produto Nacional Bruto (PNB).
  • 2. Distinguir crescimento económico de desenvolvimento humano.
  • 3. Mencionar indicadores de desenvolvimento humano de várias naturezas: demográficos, sociais, culturais, económicos, políticos, ambientais.
  • 4. Interpretar mapas de distribuição dos indicadores de crescimento económico e de desenvolvimento humano à escala global.
  • 5. Comparar países com diferentes graus de desenvolvimento com base em indicadores de crescimento económico e de desenvolvimento humano.
  • 6. Caraterizar e localizar os Países Produtores e Exportadores de Petróleo (OPEP), os Novos Países Industrializados (NPI), os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e os Países Menos Avançados (PMA).

2. Compreender o grau de desenvolvimento dos países com base no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e em outros Indicadores Compostos:

  • 1. Caraterizar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).
  • 2. Interpretar a distribuição mundial de IDH relacionando-o com o grau de desenvolvimento dos países.
  • 3. Mencionar as principais críticas à utilização do IDH.
  • 4. Referir, para além do IDH, outros indicadores compostos utilizados na avaliação do grau de desenvolvimentos dos países.
  • 5. Explicar em que consiste o Índice de Desigualdade de Género (IDG) e o Índice de Pobreza Multidimensional (IPM).
  • 6. Inferir a partir do IDH e de outros indicadores compostos as disparidades de desenvolvimento às escalas internacional e intranacional.
  • 7. Interpretar os principais contrastes na distribuição dos diferentes indicadores de desenvolvimento em Portugal.

divulgamos geografia no facebook


O filme completo está aqui: https://goo.gl/U365cB

observação em tempo real da circulação atmosférica nas últimas 6 horas


"The Weather Company" in www.wsi.com


"Windy TV" in www.windytv.com





Ferramentas para análise sinóptica do estado do tempo em tempo real

Uau! O Windy TV é das mais interessantes ferramentas para as aulas de Geografia quando temos que trabalhar os seguintes Objectivos Gerais das "Metas Curriculares de Geografia do 7º Ano":
12. Compreender o clima como o resultado da influência dos diferentes elementos atmosféricos:

13. Compreender a variação diurna da temperatura:

14. Compreender a variação anual da temperatura:

15. Compreender a variação da temperatura com a latitude:

16. Compreender a variação da temperatura em função da proximidade ou afastamento do oceano:

17. Compreender a variação da temperatura em função do relevo:

18. Compreender diferentes fenómenos de condensação e sublimação:

19. Compreender a distribuição da precipitação à superfície da Terra:

20. Compreender a influência dos centros barométricos na variação da precipitação:

21. Compreender a influência das massas de ar na variação da precipitação:

22. Compreender a ação de fatores regionais na ocorrência de precipitação:

23. Compreender a importância da representação gráfica da temperatura e precipitação na caraterização dos tipos de clima.

Nota:
No sétimo ano de Geografia existem 33 Objectivos Gerais, sendo que 12 relacionam-se com temas adequados ao uso do Windy TV. A numeração constante nos O.G. acima citados, refere-se à ordenação dos 33 já mencionados.
Ao Windy TV Só lhe falta decente da representação radar em espectro visível do estado do tempo. Talvez, daqui a uns tempos, os britânicos do Meteo Sat possam ajudar-nos. Por mim, uso o Google Earth.








TEMA POPULAÇÃO PORTUGUESA
EXAME DE GEOGRAFIA - 2016 FASE 1


[EXAME 2016, FASE1-VERSÃO1]
[ GRUPO 1 ]


A esperança de vida é um dos indicadores demográficos que permite avaliar o grau de desenvolvimento de um país.






1. A variação dos valores da esperança de vida à nascença e dos valores da esperança de vida aos 65 anos, em Portugal, entre 1982 e 2014, representada na Figura 1, permite-nos afirmar que
(A) a esperança de vida à nascença e a esperança de vida aos 65 anos aumentou mais nos homens. 
(B) a esperança de vida à nascença aumentou mais nas mulheres e a esperança de vida aos 65 anos aumentou mais nos homens. 
(C) a esperança de vida à nascença e a esperança de vida aos 65 anos aumentou mais nas mulheres. 
(D) a esperança de vida à nascença aumentou mais nos homens e a esperança de vida aos 65 anos aumentou mais nas mulheres.


2. A evolução dos valores da esperança de vida da população, apresentada na Figura 1, é explicada, entre outras razões, pela
(A) redução do número de casos de doenças cardiovasculares. 
(B) melhoria da assistência materno-infantil. 
(C) inovação tecnológica no diagnóstico e no tratamento de doenças. 
(D) diminuição dos acidentes de trabalho.


3. De acordo com os valores apresentados na Figura 1, é possível concluir que uma pessoa com 65 anos viveria, em média,
(A) até aos 81 anos se fosse um homem, em 1982, ou até aos 82 anos se fosse uma mulher, em 2014. 
(B) até aos 78 anos se fosse um homem, em 1982, ou até aos 86 anos se fosse uma mulher, em 2014. 
(C) até aos 78 anos se fosse um homem, em 1982, ou até aos 82 anos se fosse uma mulher, em 2014. 
(D) até aos 81 anos se fosse um homem, em 1982, ou até aos 86 anos se fosse uma mulher, em 2014.


4. Nos concelhos do interior de Portugal continental, verifica-se uma evolução demográfica que justifica a adoção de medidas com os objetivos
(A) de fixar agregados familiares jovens com filhos e de promover a redução da imigração jovem. 
(B) de valorizar o modo de vida rural e de garantir o acesso à pensão de velhice sem penalizações. 
(C) de favorecer a criação de parques industriais e de melhorar a acessibilidade intraurbana. 
(D) de promover o emprego na agricultura e de reduzir os impostos municipais aos casais jovens.


5. A diminuição da população residente de um concelho em Portugal, para um determinado período de tempo, ocorre sempre que
(A) a natalidade é inferior à mortalidade e a emigração é superior à imigração. 
(B) a natalidade é superior à mortalidade e a imigração é inferior à emigração. 
(C) a mortalidade é superior à natalidade e a imigração é superior à emigração. 
(D) a mortalidade é inferior à natalidade e a emigração é inferior à imigração.


6. Os valores da emigração portuguesa nos últimos dez anos refletiram-se na demografia e na economia do país, uma vez que contribuíram
(A) para o aumento da taxa de natalidade e para o aumento da sustentabilidade da segurança social. 
(B) para o aumento da taxa de mortalidade infantil e para a diminuição da produtividade. 
(C) para o aumento do índice de envelhecimento e para o aumento das remessas dos emigrantes. 
(D) para o aumento do índice de renovação de gerações e para a diminuição da cobrança de impostos.

VER CORRECÇÃO



ossos: arqueologia junto à Sé de Évora e a Leonor a adorar








OSSADAS A DOIS PALMOS DO CHÃO DO CENTRO HISTÓRICO DE ÉVORA:

A escavação arqueológica ocorreu ao longo do Verão de 2009, no largo Mário Chicó, junto à fachada norte da Sé de Évora.

Por informação directa dos arqueólogos presentes confirmaram-me terem sido encontrados inúmeros esqueletos e vestígios datados do século XVII mas, porque o lugar sempre foi densamente povoado, é provável encontrar vestígios de épocas anteriores.

Os trabalhos de escavação foram impressionantes mas discretos. Ao longo dos escaldantes dias de Junho, quem passava para almoçar na comunidade alternativa, e centro de meditação, Maria Inácia, pôde acompanhar o lento levantamento de diversas ossadas. Felizmente, resolvi, no momento, criar um pequeno video com a pequena Leonor  a dar-lhe alguma escala e um claro ar despretensioso.



"Não é uma vala comum. A quantidade de enterramentos humanos deve-se ao uso do espaço como cemitério nas proximidades da Sé catedral sendo prática normal até ao século XIX. Tratando-se do principal cemitério antigo da cidade de Évora, em época Medieval e Moderna, é habitual a grande concentação de sepulturas da população urbana num espaço tão reduzido. A época do cemitério ainda não está definida, integrando-se na época moderna (provavelmente séc. XVI-XVII.


A escavação continuará até atingir o substrato geológico do lugar, pelo que se prevê descobrir fases mais antigas da ocupação da cidade de Évora (época Romana e época Medieval)".


adaptado da nota informativa de Félix Teichner, empresa Arkhaios, afixada no sítio da escavação









CONTEXTO DOS TRABALHOS DE ARQUEOLOGIA E INVESTIGAÇÕES POSTERIORES:

Resta dizer que a escavação está integrada no Plano de Intervenções Municipais da CM de Évora, no âmbito do Programa Acrópole XXI, que intervencionou nesse ano (2009 e seguintes) parte do centro histórico eborense.

Posteriormente, em Setembro de 2015 publicaram-se os resultados de outros levantamnentos arqueológicos relacionados: https://www.publico.pt/2015/09/09/ciencia/noticia/ossos-de-antiga-prisao-de-evora-dao-voz-as-vitimas-da-inquisicao.


Nos 20 metros quadrados do “quintal da limpeza dos cárceres”, a lixeira da prisão do Tribunal da Inquisição de Évora, 12 esqueletos e 980 ossos desarticulados. [O]s investigadores a concluir que os corpos teriam sido ali depositados entre 1568 e 1634. 
Delimitado o período de tempo, a equipa pôde recuperar 87 registos de indivíduos que teriam morrido na cadeia entre essas datas. Desses 87 registos, 11 referiam-se a presos que, depois de mortos, teriam sido depositados no quintal da prisão. Acusados de “judaísmo”, “heresia” e “apostasia”, os 11 indivíduos tinham profissões como tendeiro, ferreiro, trapeiro, rendeiro, ourives ou maceiro. 
[...]
O material fóssil, encontrado em uma lixeira localizada no pátio do antigo palácio do Santo Ofício, pertence a hereges que morreram em Évora entre 1568 e 1634, no auge da inquisição católica. 
A cidade portuguesa, que fica a 180 quilómetros de Lisboa, foi sede do primeiro tribunal inquisidor do país devido à presença da Corte Real Portuguesa. Além do Tribunal da Inquisição de Évora, o Santo Ofício de Portugal tinha instalações em Lisboa, Porto, Coimbra, Tomar e Lamengo, desativados por ordem do Marquês de Pombal, quando foi primeiro-ministro de Portugal na segunda metade do século XVIII.














TEMA RADIAÇÃO SOLAR
EXAME DE GEOGRAFIA - 2016 FASE 1


[EXAME 2016, FASE1-VERSÃO1]
[ GRUPO II ]


A ocorrência de situações meteorológicas extremas perturba o funcionamento dos transportes e afeta as atividades económicas.






1. A distância real, em linha reta, entre Lisboa e a ilha Terceira do arquipélago dos Açores é aproximadamente 1500 km. A escala mais adequada ao mapa da Figura 2 é
(A) 1/15 000 000. 
(B) 1/300 000. 
(C) 1/30 000 000. 
(D) 1/150 000 000.


2. A interpretação da carta sinóptica da Figura 2 permite-nos afirmar que
(A) a massa de ar que afeta Portugal continental é mais fria do que a massa de ar que afeta a Grã--Bretanha. 
(B) a massa de ar que afeta a Grã-Bretanha é mais quente do que a massa de ar que afeta o arquipélago da Madeira. 
(C) a massa de ar que afeta o arquipélago da Madeira é mais quente do que a massa de ar que afeta o arquipélago dos Açores. 
(D) a massa de ar que afeta Portugal continental é mais fria do que a massa de ar que afeta o arquipélago dos Açores.


3. O estado de tempo que se fará sentir em Portugal continental, nas horas seguintes à situação meteorológica representada na Figura 2, caracterizar-se-á por uma elevada probabilidade de
(A) ocorrência de nuvens de desenvolvimento horizontal e de chuviscos, devido à aproximação da frente fria, que progride de oeste para este. 
(B) ausência de vento e fraca nebulosidade, devido à aproximação da frente quente, que progride de este para oeste. 
(C) ausência de vento e forte nebulosidade, devido à aproximação da frente quente, que progride de este para oeste. 
(D) ocorrência de nuvens de desenvolvimento vertical e de aguaceiros, devido à aproximação da frente fria, que progride de oeste para este.


4. Em Portugal continental, os valores mais elevados de precipitação total anual registam-se em áreas localizadas a norte do rio Tejo e explicam-se, entre outras razões, pela influência conjugada
(A) da orografia e da passagem frequente de perturbações da frente polar ao longo dos meses do outono e do inverno. 
(B) da altitude média elevada e da passagem frequente de perturbações da frente polar ao longo de todos os meses do ano. 
(C) da orientação das cordilheiras montanhosas NE/SW e da passagem frequente das depressões subpolares ao longo de todos os meses do ano. 
(D) da orientação das cordilheiras montanhosas NW/SE e da passagem frequente das depressões subpolares ao longo dos meses do outono e do inverno.


5. Nas latitudes médias do hemisfério norte, a circulação geral da atmosfera pode reduzir os tempos de viagem
(A) dos navios, quando se deslocam da ilha de S. Miguel para Lisboa, se aproveitarem a deslocação dos ventos à superfície de este para oeste. 
(B) dos aviões, quando se deslocam de Nova Iorque para Lisboa, se aproveitarem os ventos dominantes em altitude de oeste para este. 
(C) dos aviões, quando se deslocam de Lisboa para Nova Iorque, se aproveitarem os ventos dominantes em altitude de este para oeste. 
(D) dos navios, quando se deslocam de Lisboa para a ilha de S. Miguel, se aproveitarem a deslocação dos ventos à superfície de oeste para este.


6. Numa situação meteorológica extrema que afete o litoral algarvio e que impossibilite a atracagem de navios de cruzeiro em Portimão, os portos nacionais alternativos com movimento de passageiros são
(A) o de Lisboa e o de Leixões. 
(B) o de Lisboa e o de Aveiro. 
(C) o de Leixões e o de Sines. 
(D) o de Aveiro e o de Sines.

VER CORRECÇÃO











TEMA RECURSOS RADIAÇÃO SOLAR
EXAME DE GEOGRAFIA - 2016 FASE 1


[EXAME 2016, FASE1-VERSÃO1]
[ GRUPO V ]


A variação espacial da temperatura apresenta padrões diferenciados conforme a época do ano.






1. Identifique duas capitais de distrito onde, entre o mês de janeiro (Figura 5A) e o mês de julho (Figura 5B), se registaram amplitudes térmicas compreendidas entre 10ºC e 14ºC.
R.:__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ _ _


2. Apresente dois fatores geográficos que justifiquem o padrão de distribuição da temperatura média mensal em Portugal continental, um para janeiro (Figura 5A) e outro, diferente do primeiro, para julho (Figura 5B).
R.:__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ _ _



3. Explique a influência do clima no desenvolvimento socioeconómico da região do Algarve, tendo em consideração os seguintes tópicos de orientação:
• a redução da sazonalidade do turismo;
• a especialização da agricultura.
Na sua resposta, desenvolva dois aspetos para cada um dos tópicos de orientação.
R.:______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ _ _

VER CORRECÇÃO