CORRECÇÃO DO TEMA RECURSOS MARÍTIMOS
EXAME DE GEOGRAFIA - 2015 ÉPOCA ESPECIAL



[EXAME 2015, ÉPOCA ESPECIAL]
[ GRUPO II ]


O texto seguinte e a Figura 2 dizem respeito à aquicultura e à rota do atum-rabilho.

Portugal tem vindo a apostar na engorda de espécies de atum, como o atum-rabilho, em contexto de aquicultura offshore, aproveitando as características do clima de agitação marítima da sua costa meridional. O atum é capturado e conduzido para armações, onde vai ser engordado, para depois ser exportado, principalmente, para o Japão.

Fonte: www.portugal.gov.pt (adaptado)
(consultado em dezembro de 2014)






1. De acordo com a Figura 2, a rota migratória do atum-rabilho ocorre, aproximadamente,
(A) entre 10° S e 55° N e entre 15° W e 100° E. 
(B) entre 10° S e 55° N e entre 15° E e 100° W. 
(C) entre 10° N e 55° N e entre 15° E e 100° W. 
(D) entre 10° N e 55° N e entre 15° W e 100° E.


2. De acordo com o texto, a aquicultura do atum no Algarve pratica-se
(A) afastada da costa e destina-se, principalmente, ao mercado interno. 
(B) junto da costa e destina-se, principalmente, ao mercado externo. 
(C) afastada da costa e destina-se, principalmente, ao mercado externo. 
(D) junto da costa e destina-se, principalmente, ao mercado interno.


3. A análise do texto e da Figura 2 permite-nos afirmar que duas das condições naturais propícias à fixação de unidades de aquicultura do atum-rabilho são
(A) a fraca agitação marítima ao longo do ano e a proximidade das rotas migratórias. 
(B) a proximidade das águas quentes do Mar Mediterrâneo e o traçado retilíneo da costa. 
(C) a baixa profundidade das águas oceânicas e a diversidade de espécies piscícolas. 
(D) a elevada extensão da plataforma continental e a qualidade das águas oceânicas.


4. A aquicultura contribui para a gestão racional dos recursos piscatórios, uma vez que
(A) diversifica a captura de espécies piscícolas nas águas costeiras. 
(B) garante o abastecimento dos mercados em espécies piscícolas de águas profundas. 
(C) assegura o cumprimento das quotas de pesca atribuídas a cada país. 
(D) permite a preservação dos stocks de espécies piscícolas em perigo de extinção.


5. O estabelecimento de acordos bilaterais de pesca entre Portugal e outros países fora da União Europeia é vantajoso, porque
(A) facilita o incremento da pesca costeira em alguns países da União Europeia. 
(B) garante o aumento do volume de capturas de moluscos e bivalves em Portugal. 
(C) reduz a necessidade de mão de obra especializada no sector das pescas em Portugal. 
(D) minimiza os efeitos da imposição das quotas de pesca definidas pela União Europeia.


6. Em 2009, Portugal propôs nas Nações Unidas o alargamento da área oceânica sob jurisdição nacional para além das 200 milhas náuticas, o que, a concretizar-se, permitirá
(A) garantir o controlo do tráfego marítimo em águas nacionais. 
(B) explorar uma maior diversidade de recursos naturais do fundo do oceano. 
(C) fomentar o comércio por via marítima entre Portugal e os países americanos. 
(D) aumentar a área de instalação de aerogeradores offshore.