TEMA RECURSOS HÍDRICOS
EXAME DE GEOGRAFIA - 2016 FASE 1


[EXAME 2016, FASE1-VERSÃO1]
[ GRUPO II ]


A ocorrência de situações meteorológicas extremas perturba o funcionamento dos transportes e afeta as atividades económicas.






1. A distância real, em linha reta, entre Lisboa e a ilha Terceira do arquipélago dos Açores é aproximadamente 1500 km. A escala mais adequada ao mapa da Figura 2 é
(A) 1/15 000 000. 
(B) 1/300 000. 
(C) 1/30 000 000. 
(D) 1/150 000 000.


2. A interpretação da carta sinóptica da Figura 2 permite-nos afirmar que
(A) a massa de ar que afeta Portugal continental é mais fria do que a massa de ar que afeta a Grã--Bretanha. 
(B) a massa de ar que afeta a Grã-Bretanha é mais quente do que a massa de ar que afeta o arquipélago da Madeira. 
(C) a massa de ar que afeta o arquipélago da Madeira é mais quente do que a massa de ar que afeta o arquipélago dos Açores. 
(D) a massa de ar que afeta Portugal continental é mais fria do que a massa de ar que afeta o arquipélago dos Açores.


3. O estado de tempo que se fará sentir em Portugal continental, nas horas seguintes à situação meteorológica representada na Figura 2, caracterizar-se-á por uma elevada probabilidade de
(A) ocorrência de nuvens de desenvolvimento horizontal e de chuviscos, devido à aproximação da frente fria, que progride de oeste para este. 
(B) ausência de vento e fraca nebulosidade, devido à aproximação da frente quente, que progride de este para oeste. 
(C) ausência de vento e forte nebulosidade, devido à aproximação da frente quente, que progride de este para oeste. 
(D) ocorrência de nuvens de desenvolvimento vertical e de aguaceiros, devido à aproximação da frente fria, que progride de oeste para este.


4. Em Portugal continental, os valores mais elevados de precipitação total anual registam-se em áreas localizadas a norte do rio Tejo e explicam-se, entre outras razões, pela influência conjugada
(A) da orografia e da passagem frequente de perturbações da frente polar ao longo dos meses do outono e do inverno. 
(B) da altitude média elevada e da passagem frequente de perturbações da frente polar ao longo de todos os meses do ano. 
(C) da orientação das cordilheiras montanhosas NE/SW e da passagem frequente das depressões subpolares ao longo de todos os meses do ano. 
(D) da orientação das cordilheiras montanhosas NW/SE e da passagem frequente das depressões subpolares ao longo dos meses do outono e do inverno.


5. Nas latitudes médias do hemisfério norte, a circulação geral da atmosfera pode reduzir os tempos de viagem
(A) dos navios, quando se deslocam da ilha de S. Miguel para Lisboa, se aproveitarem a deslocação dos ventos à superfície de este para oeste. 
(B) dos aviões, quando se deslocam de Nova Iorque para Lisboa, se aproveitarem os ventos dominantes em altitude de oeste para este. 
(C) dos aviões, quando se deslocam de Lisboa para Nova Iorque, se aproveitarem os ventos dominantes em altitude de este para oeste. 
(D) dos navios, quando se deslocam de Lisboa para a ilha de S. Miguel, se aproveitarem a deslocação dos ventos à superfície de oeste para este.


6. Numa situação meteorológica extrema que afete o litoral algarvio e que impossibilite a atracagem de navios de cruzeiro em Portimão, os portos nacionais alternativos com movimento de passageiros são
(A) o de Lisboa e o de Leixões. 
(B) o de Lisboa e o de Aveiro. 
(C) o de Leixões e o de Sines. 
(D) o de Aveiro e o de Sines.

VER CORRECÇÃO