imigração ilegal para a União Europeia em 2014 - cada clandestino pagou mais de 1000 dólares a traficantes internacionais





































NOS VIDEOS: 
VEDAÇÃO CONSTRUÍDA EM MELILA, CIDADE ESPANHOLA NO NORTE DE ÁFRICA  

Ilegais tentam saltar para território da União Europeia em Outubro de 2014 e ficam sentados no alto da vedação enquanto um casal continua a jogar golfe.

A construção das três vedações que separam Marrocos do enclave espanhol de Melilha, e a sua manutenção, foi financiada por fundos da União Europeia. O Centro de Acolhimento Temporário de Imigrantes também. E o campo de golfe, a mesma coisa. O governo marroquino está a construir a sua própria vedação, coberta inteiramente de arame farpado.

Estes imigrantes pagam usualmente 1000 a 1400 dólares por pessoa a redes de tráfico internacional para serem levados para a Europa. Um montante muito elevado para um trabalhador comum do continente africano.



DADOS ESTATÍSTICOS DA IMIGRAÇÃO ILEGAL PARA A UNIÃO EUROPEIA EM 2014  

Mais de 3.000 imigrantes morreram no Mediterrâneo em 2014
(Fonte: o número foi registrado pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados).

Pelo menos 3.419 imigrantes morreram ao tentar atravessar o Mediterrâneo em 2014, o que faz desta travessia a mais letal do mundo, segundo a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Desde o início do ano, mais 207.000 imigrantes tentaram atravessar o Mediterrâneo, quase o triplo do recorde anterior, de 2011, quando 70.000 pessoas tentaram fugir de vários países durante a primavera árabe.

"Estes números constituem uma nova etapa: enfrentamos vários conflitos e a Europa se viu diretamente afetada", afirmou Adrian Edwards, porta-voz da ACNUR.

Cercada por conflitos ao sul (Líbia), leste (Ucrânia) e sudeste (Síria e Iraque), a Europa regista actualmente o maior fluxo de desembarques pelo mar. Quase 80% das tentativas de viagem acontecem a partir da costa da Líbia, com Itália ou Malta que são os destinos mais procurados.