movimento de rotação e movimento de translação do Sol












MOVIMENTO DE ROTAÇÃO DO SOL EM JANEIRO - 2014

O movimento de rotação do Sol dura 27 dias no seu Equador e 32 dias nos sues Pólos (esta diferença acontece porque o Sol não é um corpo rígido).

O Sistema Solar completa uma órbita em torno do centro da Via Láctea (um ano galáctico) a cada 225-250 milhões de anos.

O Sol não é um corpo rígido (sólido), pois as manchas situadas próximas do meio do disco solar movem-se mais rapidamente do que as mais afastadas. Assim, uma zona próxima do equador do Sol perfaz uma volta completa em cerca de 27 dias (o período de rotação no equador). Este período aumenta com a latitude, de tal forma que, para uma região na proximidade dos polos, esse período passa a ser de cerca de 32 dias.

O movimento de rotação diferenciado do Sol provoca a distorção do seu campo magnético que por vezes se torna tão caótico, que se gera um período de grande atividade solar denominado máximo solar.





MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO DO SISTEMA SOLAR:

O Sistema Solar completa uma órbita em torno do centro da Via Láctea (um ano galáctico) a cada 225-250 milhões de anos (completou entre 20 e 25 órbitas desde sua formação).

A velocidade orbital do Sistema Solar em torno do centro da galáxia é de cerca de 251 km/s (o Sol demora 1,4 mil anos para percorrer 1 ano-luz).

O Sol atravessa, actualmente, a "Nuvem Interestelar Local" feita de gás de alta temperatura, no interior do "Braço de Orion" na Via Láctea, localizado entre os braços maiores "Perseus" e "Sagitário".





OS BRAÇOS DA VIA LÁCTEA:

A Via Láctea é uma galáxia espiral formada por 2 braços maiores - "Perseus" e "Centaurus" - e os braços menores "Norma", "Orion", "Crux-Scutum", "Sagitário" e "Cignus".

Atualmente, o Sol ocupa uma posição na periferia da Via Láctea, conhecida como "Braço de Orion", distante cerca de 27 mil anos-luz do centro galáctico.

Até 1953 os astrónomos não tinham conhecimento da existência dos braços da Via Láctea. A observação da estrutura espiralada era obstruída pela poeira estelar, além de ser dificultada por ser feita de dentro da própria Galáxia. Até 2008 os cientistas acreditavam que a Via Láctea possuía os 4 braços mencionados, mas dados fornecidos pelo telescópio Spitzer estão mudando essa concepção.

Segundo o modelo proposto pelo astrofísico Robert Benjamin, da Universidade de Wisconsin, a via Láctea possui apenas dois braços principais: "Perseus" e "Scutum-Centaurus", sendo os demais braços reclassificados como braços menores ou ramificações. "Centaurus" e "Perseus" contêm uma enorme concentração de estrelas jovens e brilhantes.

A Via Láctea é classificada como sendo uma galáxia espiral e seus braços giram em torno do núcleo à semelhança de um grande cata-vento. No seu interior, nosso Sol não passa de um minúsculo grão de areia a vagar pelo Universo.


Nota:
Para consultar um condensado de dados referentes ao Sol:
NASA - Sun Fact Sheet (NASA Goddard Space Flight Center) in http://nssdc.gsfc.nasa.gov/planetary/factsheet/sunfact.html

1 comentário:

Anónimo disse...

http://publications.europa.eu/code/pt/pt-000100.htm