altas e baixas pressões em movimento: o caso do furacão «Andy»







Modelização de uma Superstorm: o hurricane Sandy - NASA 2012

Sandy: aconteceu em Outubro de 2012 (26 a 31 de Outubro).
Usando como referência a «superfície barométrica» dos 850hPa (aproximadamente uns 1500 metros de altitude) a simulação da NASA (NASA GEOS-5) não só previu a percurso exacto do Sandy, mas também capturou detalhes em escala fina de mudança de intensidade e dos ventos de 2 tempestades periféricas.

O Furacão (hurricane) Sandy atingiu a Costa Leste dos EUA no final de temporada de furacões no Atlântico de 2012 (Outubro) e causou 159 mortes e 70.000 milhões de dólares em estragos.



NASA GEOS-5 - A mais avançada modelização matemática-meteorológica do mundo:

O modelo funciona dividindo a atmosfera da Terra em camadas virtuais sobrepostas (layers) para que um supercomputador resolva equações matemáticas dentro de cada layer.
O resultado final foi a criação de uma previsão do estado do tempo, a estrutura interna do Sandy, o seu caminho e outras características.


FONTE:
NASA Goddard Space Flight Center da NASA e Centro de Simulação do Clima. Cortesia da NASA / GSFC / William Putman. Consultar em http://gmao.gsfc.nasa.gov/research/atmosphericassim/tracking_hurricanes