a paradoxal Rússia em 2013





[...]




Ver reportagem no melhor blog do mundo: malomil



krokodil e a Batalha de Estalinegrado:  


No passado dia 23 de Agosto, Vladimir Putin deslocou-se a Volgogrado para participar nas cerimónias do 71º aniversário do início da batalha que ficará para a História com o antigo nome daquela cidade, Estalinegrado.

Putin tinha a esperá-lo, junto à viatura oficial, uma personagem com uma aparência estranha, sobretudo naquele enquadramento formal e solene. O rígido Vladimir Putin junto a um sujeito de andar gingão, numa armadura de cabedal e com trejeitos de marginal.

O homem aguarda o Presidente da Rússia, acompanha-o até à tribuna das altas entidades, fica sentado ao seu lado, em posição de destaque. Não se trata de um antigo combatente de Estalinegrado ou de um seu familiar, daqueles octogenários russos que aparecem nas cerimónias militares com o peito cravejado de medalhas. Quem acompanha Putin tem o corpo cravejado, mas de tatuagens. Um ar algo marcial, por certo, mas não o de um antigo combatente. 

[...]
Alexander Zaldostanov, com a alcunha «O Cirurgião», terá hoje 50 ou 51 anos e é o líder supremo e incontestado dos ferozes Lobos da Noite (Nochniye Volki), o mais importante clube de motoqueiros da nova Rússia. «O Cirurgião» é o mais famoso motard da Rússia, que deve o seu nome de guerra ao facto de, num passado de que não gosta de falar, ter sido médico. Trabalhava numa clínica dentária e, nessa qualidade, coleccionava colares feitos de dentes humanos


António Araújo no fantástico blog malomil dá-nos mais uma reportagem paradoxal sobre os mil e um cruzamentos de signos e significados que acontecem neste preciso momento na «porta ao lado». Neste caso na, ainda, superpotência, Rússia.

A perplexidade sobre a sua aparência e a sua presença naquela cerimónia tão circunspecta e histórica levaram-me a procurar saber quem era o anfitrião do Presidente da Rússia, num acto público de grande simbolismo.

Para mim António Araújo faz, tal como o mítico Roland Barthes fez, semiótica da melhor. Aquilo que deveria ser o trabalho da Antropologia para o grande público.