planeta top mais: as imagens ícone da guerra


Ver excerto de documentário em Eddie Adams Talk About The Saigon Execution Photo






EDDIE ADAMS: UMA FOTOGRAFIA DOCUMENTAL CHEIA DE IRONIA

A fotografia Tet Execution tirada em 1 de Fevereiro de 1968, é uma das imagens de guerra mais famosas de todos os tempos. Nela, durante a guerra do Vietname (1959-1975) acontece uma execução sumária em frente de uma camera da NBC e do fotografo da Associated Press - Eddie Adams.

O homem com a arma que executa um prisioneiro é o comandante da polícia nacional sul-vietnamita, General Nguyen Ngoc Loan. O prisioneiro abatido (Nguyen Van Lém) tinha sido o capitão de um esquadrão terrorista que matou friamente 34 pessoas, incluindo um dos comandantes adjuntos de Ngoc Loan e toda a sua família (a mulher e seis filhos). Por isto foi julgado e morto sumariamente.

Eddie Adams só tomou conhecimento das motivações da execução em 1985. Mas, por causa dessa foto, o General Nguyen Ngoc Loan ficou na história como um símbolo vil da crueldade da Guerra do Vietnme. Mais tarde, o fotógrafo, Eddie adams, pediu desculpa ao general e à família.

Numa entrevista à revista Time Adams afirmou:
O general matou o Viet Cong; eu matei o general com a minha câmera. As fotografias, silenciosas e profundas, são a arma mais poderosa do mundo. As pessoas acreditam nelas, mas as fotografias mentem, mesmo sem manipulação. Elas são apenas meias-verdades. O que esta fotografia não disse foi: "O que você faria se estivesse no lugar do general naquele tempo e lugar, naquele dia quente, e você apanhou um sujeito, reconhecidamente ruim, logo depois de ter liquidado um, dois ou três soldados norte-americanos?".

Segundo Adams, o general Loan era admirado pelos vietcongues e ajudava na construção de hospitais e no amparo a orfãos de guerra. Era alguém que lutava por seu país e modo de vida. O prisioneiro havia matado famílias e colegas do general.

"Eu não chamaria uma pessoa que mata outra a sangue frio de herói, apenas entendi que definir bom e mau na vida real é mais complicado do que parece, e portanto, devemos ter cautela antes de julgar (e sentenciar) os outros na nossa cabeça."