A crise da semana passada
A anterior segunda-feira passou-se em crise. A minha direcção de turma (olá 7ºB !!) entrou numa espiral de emoções, enervamentos e desabafos. Vinha aí o fim do mundo.

Por um lado, as costumeiras indisciplinas de uns quantos a prejudicar o normal funcionamento das aulas (e os professores, meus colegas, bem o dizem!) mas, por fim, também os protestos de uma mão cheia de colegas (colegas-alunos, sim, porque em aulas de Geografia quando todos nós fazemos Geografia só podemos ser colegas de Ofício): que a meia dúzia de sempre já não têm graça nenhuma com as confusões que aprontam entre si. Creio que sim, claro! Não têm graça nenhuma...

Por outro lado, aconteceu a Crise dos Piolhos. Meus caros, isto são coisa da vida, pura situação de rotina (melhor, de farmácia) que nada teria de complicado não tivesse sido o caso, ou pretexto, para andarem a repensar as vossas amizades, reformar alianças e cumplicidades de uma forma tão tumultuosa. Ou muito me engano ou ainda terão de arranjar uma ovelha negra na turma à força - Cuidado com essas descriminações e injustiças.

Obviamente a crise dos piolhos passou: foi um falso alarme!! Agora que já passou podemos dizer que não foi nada, mas os ânimos exaltaram-se e houve choros desnecessários em Estudo Acompanhado, com trocas de galhardetes: a Ana chorou emocionada com tamanhas injustiças dos seus pares, outros garantiam que iriam mudar de turma, enfim o diabo a sete..

A rapidez destes fenômenos é extraordinária. Na terça-feira seguinte já tudo era outra louça... Contudo, uma semana depois, apareceram outros dramas existenciais, pelo que vou inteirar-me dos factos.

Para além destes episódios chegou-me aos ouvidos zunzuns de que a tal «indisciplina» (ou desatenção ao trabalho) lá melhorou... a ver vamos.

3 Novembro de 2003