os meus tempos de Évora



Évora é tal e qual o filme de Fellini: Amarcord.

Évora é uma cidade bela e démodé. Évora é o seu centro histórico intra-muros; bela e harmoniosa como deveriam ser as cidades utópicas mas também quadradamente reaccionária; sombra e sol; parada no tempo mas também progressista. Évora-esquisóide junta touradas e rock and roll no Harmonia.

Nas ruas ainda podemos ter pela hora do almoço os odores dos pratos à anos setenta - iscas e vinagre; sem procurar, encontramos na cidade o retrato de Portugal nos começos dos anos setenta.
Eu, obviamente aprecio e agradeço.

Amarcord/Recordar. A falta que irei sentir de Évora...

Amarcord é um filme fantástico de Fellini que mistura o real e o mundo dos sonhos, um mundo onírico cheio de recordações pessoais situadas num momento difícil da história da Itália: a ascensão do fascismo nas pequenas cidades italianas.