évora pessoal




"Infalivelmente, todas as terças-feiras, quer chovesse quer fizesse sol, a Praça do Giraldo abarrotava de gentio. O café Arcada formigava de bonés e chapéus descaídos para a nuca. Capote, samarra ou pelico e safões pela rijeza do inverno. A singeleza da camisa e colete pela calma do verão.

Era o dia dos negócios da lavoura. A «bolsa informal» do gado, da cortiça, das leguminosas, dos cereais e da palha. Entre cafés e aguardentes concertavam-se negócios, apalavravam-se arrendamentos, compras e vendas de herdades, emprestava-se e pedia-se dinheiro."


In Alentejanando em Fevereiro, 2004



Évora cresceu e urbanizou-se. Para mim a Praça do Giraldo são as noites quentes de Verão, as tardes nos telhados do Harmonia com concertos e filmes pela madrugada, o pessoal da Universidade de Évora...

Indo para baixo, no sentido sul, encontramos o departamento de Geologia, para poente e ao fundo da muralha, encontra-se a escola de Santa Clara. Para cima chegamos à Praça do Sertório e ao café Capuccino. Ou, ainda mais para cima, junto à Sé, o mais bonito restaurante-pátio vegetariano do país.


Esta é uma entre outras foto-reportagens dos começos do Geografismos.
A foto-reportagem continua... AQUI